Governo Federal prorroga por três meses pagamento do Auxílio Emergencial 2021

Pagamento será possibilitado por meio de MP que abre crédito extraordinário em favor do Ministério da Cidadania

Governo Federal prorroga por três meses pagamento do Auxílio Emergencial 2021

O Governo Federal editou, na tarde deste segunda-feira (05.07) decreto que prorroga, pelo período complementar de três meses, o pagamento do Auxílio Emergencial 2021, instituído pela Medida Provisória nº 1.039, de 18 de março de 2021. Essa MP previu originalmente pagamento em quatro parcelas, com possibilidade de prorrogação desde que observada a disponibilidade orçamentária e financeira.

De acordo com o Decreto, para percepção do Auxílio Emergencial 2021 por esse período complementar, o beneficiário deve cumprir os requisitos estabelecidos pela MP 1.039/21. Além disso, o benefício será operacionalizado e pago pelos meios e mecanismos já utilizados no pagamento do Auxílio durante o ano corrente.

A fim de custear os gastos com a concessão e a operacionalização da prorrogação do Auxílio Emergencial 2021 pelo período complementar de mais três meses, o presidente editou Medida Provisória que abre crédito extraordinário em favor do Ministério da Cidadania.

Trata-se de ato fundamental viabilizar o pagamento do Auxílio Emergencial 2021 por período complementar, o que tem se mostrado essencial para a subsistência da população mais vulnerável.

COMPARTILHE NO:

+ VEJA TAMBÉM

Sancionada lei que indeniza profissionais de saúde incapacitados pela Covid

Sancionada lei que indeniza profissionais de saúde incapacitados pela Covid

Pagamento da 1ª parcela do auxílio emergencial começa hoje

Pagamento da 1ª parcela do auxílio emergencial começa hoje

Safra brasileira de grãos é superior a 1 tonelada de alimentos por habitante

Safra brasileira de grãos é superior a 1 tonelada de alimentos por habitante

'Falar que hidroxicloroquina e ivermectina matam é falácia’, afirma presidente do Conselho Federal de Medicina

'Falar que hidroxicloroquina e ivermectina matam é falácia’, afirma presidente do Conselho Federal de Medicina